Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 21 de Outubro de 2017

  • 07/10/2017
  • 10:54
  • Atualização: 11:00

RS acelera fim de vacinação para alcançar novo status do Plano Estratégico de Febre Aftosa

Estado quer antecipar evolução para a condição de zona livre sem vacinação de 2021 para 2019

RS acelera fim de vacinação para alcançar novo status do Plano Estratégico de Febre Aftosa  | Foto: Mauro Schaefer

RS acelera fim de vacinação para alcançar novo status do Plano Estratégico de Febre Aftosa | Foto: Mauro Schaefer

  • Comentários
  • Correio do Povo

O Plano Estratégico do Programa Nacional de Febre Aftosa (Pnefa), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, quer tornar todo o Brasil área livre da doença sem vacinação até 2023. Por enquanto, Santa Catarina é o único estado que detém tal condição. O Rio Grande do Sul, que é zona livre com vacinação, suspenderia as campanhas de imunização do rebanho em 2021, mas decidiu acelerar o processo, visando alcançar o novo status, de “estado livre sem vacinação”, em 2019, seguindo os passos do Paraná, que já trabalha pela mudança.

Suspensão da vacinação contra febre aftosa provoca inquietação nas fronteiras do RS

• Pecuarista alerta que governo uruguaio precisa estar atento às mudanças sanitárias do Brasil

O secretário da Agricultura, Ernani Polo, afirma que a ideia é discutir ações que venham a intensificar o controle das fronteiras em conjunto com o setor privado e o Ministério da Agricultura. Entre as medidas já em andamento ele cita o georreferenciamento das propriedades e a construção de um almoxarifado central,em Cachoeira do Sul, que irá abrigar equipamentos para atendimentos de emergência na área de sanidade animal. Durante a semana, o Estado anunciou ainda que irá chamar 30 veterinários aprovados em concurso para trabalhar nas inspetorias veterinárias, com foco nas regiões de fronteira.

Uma auditoria para avaliar a condição sanitária do Estado já foi solicitada ao Mapa e deve ocorrer em 2018. Polo ressalva que isso não significa que a vacinação será suspensa necessariamente a partir de 2019. “O que solicitamos é uma auditoria para avaliar o nosso serviço e a implementação do plano. A partir dessa auditoria vamos tomar a decisão”, explica. Apesar disso, há uma preocupação com relação ao possível avanço de status dos paranaenses, que também manifestaram interesse em antecipar o processo. “Se o Paraná avançar e nós ficarmos para trás, a tragédia é imensa”, afirma Polo, referindo-se aos nicho de mercado que poderão ser explorados por aquele estado, em especial na venda de carne suína.

Outro assunto que deverá voltar à mesa de discussão é a rastreabilidade do rebanho bovino gaúcho. De acordo com Polo, a identificação será discutida no âmbito do recém-criado Observatório da Carne. “É um caminho natural”, avalia.

O superintendente do Ministério da Agricultura no Rio Grande do Sul, Bernardo Todeschini, sustenta que vacinar ou deixar de vacinar não altera a necessidade de recursos destinados ao controle sanitário. Mas observa que a retirada permite que os recursos destinados à imunização sejam direcionados a outras áreas, como a vigilância por barreiras móveis ou em pontos de risco. E ressalta, ainda, que a suspensão da vacinação não muda a chance de a aftosa entrar no Estado. “A vacina não é um repelente”, esclarece. Para o superintendente, pensamentos equivocados sobre o tema podem levar a descuidos em procedimentos normais de vigilância, mesmo onde há vacinação. Por isso, Todeschini reitera que o controle de fronteiras deve ser reforçado, com vacinação ou não.

Sobre o posicionamento dos países vizinhos, Todeschini observa que o Uruguai já está praticamente dentro do seu limite de exportação de carne bovina, enquanto que a Argentina, desde o corralito, em 2001, não recuperou sua posição no mercado mundial. Embora exporte volumes pequenos de carne bovina, o Rio Grande do Sul é um grande vendedor de carne suína ao exterior. Este é um segmento que pode vir a ser beneficiado com a abertura e a diversificação de mercados. “Se vacinamos bovinos, isso significa que temos medo de que exista a febre aftosa aqui dentro, ou que tenhamos alguma incapacidade de controle. Isso, de certa maneira, vale para os suínos também”, explica o superintendente, referindo-se à sinalização de sanidade que a retirada da vacinação dá ao mundo.


TAGS » Rural, RS