Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de Outubro de 2017

  • 04/10/2017
  • 13:45

Advogado da JBS é ouvido sigilosamente por CPMI

Como o processo corre em segredo de Justiça, o presidente da comissão abriu uma exceção

Só deputados e senadores acompanharam a reunião com o advogado da JBS | Foto: Evaristo Sá / AFP / CP Memória

Só deputados e senadores acompanharam a reunião com o advogado da JBS | Foto: Evaristo Sá / AFP / CP Memória

  • Comentários
  • Agência Brasil

O depoimento do advogado Willer Tomaz de Souza na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga irregularidades na empresa JBS foi feito nesta quarta-feira a portas fechadas. O advogado convenceu o presidente da CPMI, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), com o argumento de que o inquérito a que responde está em segredo de Justiça e, além disso, alegou que deve guardar sigilo profissional sobre seus processos. Só deputados e senadores acompanharam a reunião.

O relator da comissão, deputado Carlos Marun (PMDB-MS), deixou a oitiva satisfeito com informações prestadas por Willer Tomaz. O advogado foi denunciado pelo empresário Joesley Batista (sócio do grupo J&F, que inclui a JBS), que o acusou de ter agido para cooptar o procurador do Ministério Público Federal Angelo Goulart Villela para atuar como infiltrado na força-tarefa da Operação Greenfield.

“Pela consistência das informações que estão sendo prestadas, saio muito convencido da honestidade das informações apresentadas pelo doutor Willer”, afirmou Marun, ressaltando que é urgente o depoimento do ex-procurador geral da República, Rodrigo Janot, que será convidado a comparecer à CPMI.

Segundo Marun, Willer disse que Angelo Goulart teve interesse em ser protagonista de um processo de delação dos irmãos Batista, mas as conversas nunca evoluíram. O relator acrescentou que o advogado da JBS apontou um complô que envolveu uma série de pessoas em empresas e membros de instituições que visavam derrubar o presidente da República Michel Temer.

A oitiva de Angelo Goulart Vieira também estava prevista para quarta-feira, mas ele enviou um pedido de adiamento à CPI Mista no dia 2 de outubro, alegando que o pai dele está com problemas de saúde. Willer Tomaz foi preso em maio, mas já responde às acusações em liberdade.

A CPMI da JBS foi criada para investigar irregularidades envolvendo as empresas JBS e J&F em operações realizadas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o BNDES-PAR ocorridas entre 2007 a 2016. Os parlamentares também querem investigar os procedimentos do acordo de colaboração premiada entre o Ministério Público Federal e os acionistas das companhias.