Porto Alegre

20ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 22 de Outubro de 2017

  • 28/07/2017
  • 22:45
  • Atualização: 23:20

Coreia do Norte afirma ter "todo território dos EUA" a alcance de seus mísseis

EUA e Coreia do Sul realizam manobras em resposta a novo teste de Kim Jong-Un

EUA e Coreia do Sul realizam manobras em resposta a novo teste de Kim Jong-Un | Foto: Coreia do Norte / AFP / CP

EUA e Coreia do Sul realizam manobras em resposta a novo teste de Kim Jong-Un | Foto: Coreia do Norte / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

As forças armadas de Estados Unidos e Coreia do Sul realizam exercícios militares utilizando mísseis terra-terra em resposta ao teste de um míssil intercontinental por parte da Coreia do Norte, informou um funcionário americano da defesa nesta sexta-feira. O líder norte-coreano, Kim Jong-Un, afirmou na agência oficial KCNA, após o teste bem sucedido, que todo o território continental dos Estados Unidos está agora ao seu alcance. De acordo com Kim, o teste demonstrou a capacidade da Coreia do Norte para lançar um ataque "em qualquer lugar e momento".

"Estamos realizando exercícios em resposta ao lançamento de míssil da Coreia do Norte", informou o funcionário norte-americano, que pediu para não ser identificado.  As manobras conjuntas ocorrem após membros do departamento de Defesa informarem que Estados Unidos e Coreia do Sul analisam "opções de resposta militar" contra os norte-coreanos.

As operações  utilizam o sistema de mísseis terra-terra ATACMS (Army Tactical Missile System) e mísseis sul-coreanos Hyunmoo II. Outro oficial que pediu para não ser identificado disse à AFP que é realizado "um exercício com munição real em resposta ao lançamento de mísseis por parte da Coreia do Norte".

Segundo o Exército, "o ATACMS pode ser mobilizado rapidamente (...) e proporciona capacidade de precisão em ataques de profundidade, permitindo à aliança Estados Unidos/Coreia do Sul atingir um amplo leque de alvos sob qualquer condição climática".

Pyongyang lançou seu primeiro míssil intercontinental (ICBM) no dia 4 de julho, após o qual as forças de Estados Unidos e Coreia do Sul realizaram manobras conjuntas. No tiro desta sexta-feira, o míssil lançado de Mup'yong-ni percorreu uma trajetória de cerca de 1.000 km antes de cair no Mar do Japão, segundo o Pentágono.

Imediatamente após o teste do ICBM, o general Joe Dunford, chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, e o almirante Harry Harris, responsável pelo comando americano do Pacífico, conversaram com o general Lee Sun Jin, chefe do Estado-Maior Conjunto sul-coreano.

"Durante o telefonema, Dunford e Harris expressaram seu compromisso com a aliança Estados Unidos/Coreia do Sul", informou o gabinete de Dunford. "Os três também analisaram diversas opções de resposta militar".

O Pentágono se prepara há algum tempo para a eventualidade de um conflito com a Coreia do Norte, mas esta é a primeira vez que um general cita a possibilidade de opções militares em um comunicado oficial.

O presidente americano, Donald Trump, denunciou o tiro norte-coreano como uma ação "temerária e perigosa" e garantiu que "os Estados Unidos adotarão todos os passos necessários para garantir a segurança do nosso país e proteger nossos aliados". "Ameaçando o mundo, estas armas e estes testes isolarão ainda mais a Coreia do Norte, debilitarão sua economia e prejudicarão seu povo".