Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de Outubro de 2017

  • 19/09/2017
  • 22:16
  • Atualização: 22:19

Governo federal corta 87% da verba para o Esporte em 2018

Proposta enviada ao Congresso coloca em risco programas como o Bolsa Atleta

No pós-Rio 2016 governo Temer definiu corte ainda mais drástico | Foto: Presidência da República / Divulgação CP

No pós-Rio 2016 governo Temer definiu corte ainda mais drástico | Foto: Presidência da República / Divulgação CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Se o ano pós-olímpico, como era de se esperar, tem sido difícil financeiramente para o esporte brasileiro, o cenário para 2018 é aterrador. A Lei Orçamentária Anual (LOA) do ano que vem, enviada pelo governo federal à Câmara dos Deputados, prevê uma redução de incríveis 87% em relação aos valores destinados ao Ministério do Esporte em 2017. Ao todo, a cifra caiu de R$ 1,245 bilhão para R$ 220 milhões.

Se o texto não sofrer alteração no Congresso, a redução ameaça programas como o Bolsa Atleta, que terá 50% menos verba do que neste ano. O regulamento da ação terá que ser revisto, com redução de prêmios ou restrição de acesso para parte dos beneficiados.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, o valor destinado à “preparação de atletas e capacitação de recursos humanos para esporte de alto rendimento” cai de R$ 56,6 milhões para R$ 7,2 milhões (foram 134 milhões em 2016). A “preparação de seleções principais para representação do Brasil” despenca de R$ 40 milhões para R$ 4,8 milhões. A “implantação de infraestrutura esportiva de alto rendimento” terá, no lugar dos R$ 60 milhões de 2017, apenas R$ 13 milhões.

Para obras em equipamentos esportivos públicos de lazer, o corte foi ainda mais expressivo: de R$ 462 milhões para R$ 7 milhões. O item “implantação dos centros de iniciação ao esporte”, que consumiu R$ 200 milhões em 2017, foi simplesmente suprimido. Um novo tópico, porém, foi incluído. A “gestão e manutenção do legado olímpico e paralímpico sob responsabilidade da Autoridade de Governança do Legado Olímpico (AGLO)" receberá R$ 56 milhões.

O Ministério do Esporte se manifestou apenas por meio de nota, afirmando que a pasta “tem trabalhado junto ao Congresso para elevar o orçamento”.