Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

  • 13/02/2017
  • 14:28
  • Atualização: 14:47

Brasileira Valentina Sampaio é a primeira transgênero capa da Vogue Paris

Modelo cearense é o destaque da edição de março da revista de moda

Em 2016, ela já tinha se tornado a primeira transexual a representar a L´Oréal Paris no Brasil. | Foto: Vogue Paris / Reprodução / CP

Em 2016, ela já tinha se tornado a primeira transexual a representar a L´Oréal Paris no Brasil. | Foto: Vogue Paris / Reprodução / CP

  • Comentários
  • AE

A modelo brasileira Valentina Sampaio é a primeira transgênero a ser capa da "Vogue" de Paris. A cearense é o destaque da edição de março e foi fotografada por Mert Alas e Marcus Pigot, em Londres. "Este mês, estamos orgulhosos de celebrar

a beleza transgênero com modelos como Valentina Sampaio, que está posando para sua primeira capa da Vogue. Estamos mudando a cara da moda e desconstruindo o preconceito", anunciou editora chefe da renomada revista de moda, Emmanuelle Alt.

"Tão orgulhosa e muito feliz!", comemorou a modelo em postagem no Instagram. O fotógrafo Mert Alas também usou a rede social para falar sobre a capa: "Tão orgulhoso de fotografar a primeira capa da revista Vogue com uma modelo transgênero! Trata-se de quebrar regras e tentar iluminar algumas mentes obscuras", comentou. Valentina que tem 1,77m de altura, começou a carreira de modelo aos 16 anos de idade, nasceu em Aquiraz, litoral do Ceará, e é filha de um pescador e uma professora. Em 2016, ela se tornou a primeira transexual a representar a L'Oréal Paris no Brasil.

Com apenas 21 anos, ela foi um dos destaques da última edição da São Paulo Fashion Week (SPFW) e é uma aposta da agência Joy Model. Em entrevista ao jornal durante a semana de moda paulista, ela disse que o rótulo de transgênero é importante para enfrentar o preconceito. "É um momento em que estamos tendo essa visibilidade e precisamos falar disso agora para que no futuro isso não seja mais necessário. Espero que um dia não existam mais esses rótulos, pois todos nós somos seres humanos e exigimos respeito", afirmou.