Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 24 de Outubro de 2017

  • 05/10/2017
  • 13:57
  • Atualização: 14:58

Kazuo Ishiguro teve obras adaptadas para o cinema

Três livros do Nobel de Literatura 2017 foram transformados em filme

"The Remains of the Day", à esquerda, foi adaptado para o cinema por James Ivory | Foto: Jonathan Nackstrand / AFP / CP

  • Comentários
  • AE

Kazuo Ishiguro nasceu na cidade mártir de Nagasaki, no Japão. Aos 5 anos, mudou-se com a família para a Inglaterra, tornando-se um escritor de língua inglesa. A revista Time o colocou em 32º lugar na sua lista de maiores escritores ingleses do pós-guerra. A publicação muito provavelmente terá de fazê-lo avançar algumas posições, agora que ele ganhou o Nobel de Literatura.

• Kazuo Ishiguro faz literatura sutil sobre a memória

Ishiguro escreveu roteiros - "A Profile of Arthur J. Mason", "The Gourmet", "The Saddest Music in the World" e "The White Countess". O mais inglês dos cineastas americanos, James Ivory, adaptou justamente "A Condessa Branca" em 2005 e, mais de dez anos antes, "Vestígios do Dia", em 1993. Uma terceira adaptação para cinema foi "Never Let Me Go/Não Me Abandone Jamais", por Mark Romanek, com Carey Mulligan e Andrew Garfield, em 2010.

Ivory, um cineasta meticuloso, mas cuja mise-en-scène sempre foi um tanto débil, talvez sonhasse em ser Luchino Visconti. Só uma vez ele chegou perto, e foi justamente com "Vestígios do Dia". Anthony Hopkins faz o mordomo de uma mansão tradicional. Passa a vida servindo a um aristocrata decadente, que flerta com os radicalismos de direita. Em sua submissão - nasceu para servir -, Hopkins desperdiça o afeto de Emma Thompson, que vai trabalhar na casa. É um filme feito com sentido do detalhe, muito bem interpretado. É duro, sobre essas vidas desperdiçadas. O próprio Ivory disse que bastou-lhe seguir o fluxo de Ishiguro. É seu melhor filme.