Porto Alegre

12ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

  • 10/08/2017
  • 16:38
  • Atualização: 17:29

Taylor Swift testemunha em caso de agressão sexual: "foi horrível e chocante"

Artista afirma que homem apalpou suas nádegas durante uma foto

Cantora prestou depoimento nesta quinta-feira | Foto: Joe Mahoney / Getty Images North America / AFP

Cantora prestou depoimento nesta quinta-feira | Foto: Joe Mahoney / Getty Images North America / AFP

  • Comentários
  • AFP e Correio do Povo

A cantora Taylor Swift depôs pela primeira vez em seu processo contra o ex-DJ David Mueller, acusado de apalpá-la durante um evento de meet and greet antes de um show no estado norte-americado do Colorado, em 2013. A artista, que na época tinha 23 anos, falou que o homem levantou sua saia e acariciou suas nádegas. "Foi uma apalpada... uma apalpada muito longa", declarou em um tribunal federal de Denver. "Foi horrível e chocante, nunca tinha lidado com algo assim", completou.

"Eu senti que ele agarrou meu bumbum embaixo da minha saia. Ele permaneceu com a mão lá enquanto eu tentava me afastar", disse a jovem ao ser chamada como testemunha pelo advogado representando Mueller, que está processando Swift, alegando que ela e sua equipe o caluniaram, o que resultou em sua demissão após o incidente. Por sua vez, a estrela pop foi contra-ofensiva e abriu um processo contra ele por assédio sexual.

"Eu não vou permitir que você ou seu cliente me façam sentir, de qualquer maneira, que isso é culpa minha, porque não é. Estou sendo culpada pelos eventos infelizes de sua vida, que são um produto de suas decisões e não das minhas. Ele não tocou minha mão. Ele não tocou meu braço. Ele não tocou minha costela. Ele tocou nas minhas nádegas", disse a cantora em seu testemunho.

A foto de Swift, Mueller e sua namorada mostram o antigo anfitrião de um programa matutino na estação de rádio KYGO com a mão atrás da cantora. "Alguém poderia ter concluído que pareceu que estava tentando se afastar de mim", disse o homem de 55 anos, que testemunhou quarta-feira quando mostrou a imagem da ocasião. Mueller afirmou que seus dedos podem ter tocado suas costelas, bem acima, onde seu braço é mostrado, mas admitiu que não sabia com certeza onde estava a mão porque estava concentrado no fotógrafo.

Na época, a artista não apresentou um relatório policial. Sua mãe, Andrea Swift, também testemunhou, afirmando que a assessoria optara por manter o assunto fora do alcance do público. "Isso absolutamente estilhaçou nossa confiança", contou, explicando que, desde o ocorrido, eventos de encontros com fãs foram reduzidos e detectores de metal passaram a ser colocados em todos os lugares em que sua filha interage com o público.

A mulher ainda afirmou que "queria vomitar" quando sua filha disse: "Mãe, um cara acabou de apertar minha bunda no encontro com fãs". Perguntada se buscou testemunhas para verificar a acusação, Andrea disse que não havia nenhum motivo para duvidar da palavra de sua filha. "Ele agrediu sexualmente minha filha, bem ali, aquele cara", disse, apontando para Mueller. "Eu ouvi da boca da minha filha. Eu sei que aconteceu".

A artista, a mais jovem vencedora do Grammy de melhor álbum, também descartou as tentativas de dissuadi-la de sua história e rejeitou a sugestão de que ela continuou a cumprimentar os convidados até 30 minutos após o ocorrido, como se nada tivesse acontecido. "Isso é um fato. Foi o que aconteceu comigo. Eu sabia o que tinha acontecido", disse. Os assistentes de Swift testemunharam em depoimentos que, assim que a sessão de fotos terminou, a cantora contou a todos na sala sobre o incidente. Eles a descreveram como desconfortável e visivelmente chateda.