Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

  • 10/09/2017
  • 17:53
  • Atualização: 23:09

Santander Cultural encerra mostra “Queermuseu”

Exposição tinha previsão de ocorrer até 8 de outubro

Exposição tinha previsão de ocorrer até 8 de outubro | Foto: Fredy Vieira  / Divulgação / CP

Exposição tinha previsão de ocorrer até 8 de outubro | Foto: Fredy Vieira / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Guilherme Kepler / Rádio Guaíba

O Santander Cultural, no Centro de Porto Alegre, encerrou 28 dias antes do previsto, neste domingo, a exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira. Em nota divulgada hoje, o Santander esclarece que optou pelo fechamento da mostra, prevista para seguir até 8 de outubro, ao ouvir manifestações contrárias. 

A Queermuseu havia sido aberta ao público em 15 de agosto e teve como proposta explorar a diversidade de expressão de gênero e a diferença na arte e na cultura em períodos diversos da produção artística. A exposição, que adotou um modelo não cronológico de disposição, propunha desfazer hierarquias e mostrar que a diversidade surge refletida no modelo artístico, observada sob aspectos da variedade e da diferença. A exposição reunia mais de 270 obras de 85 artistas, oriundas de coleções públicas e privadas, que percorrem o período histórico de meados do século 20 até os dias de hoje.

A curadoria, de Gaudêncio Fidelis – doutor em História da Arte pela Universidade do Estado de Nova Iorque -, tinha como intenção propor um diálogo entre as obras e promover o questionamento entre realidade material e conceitual.

Diante das críticas, o Santander emitiu uma nota oficial, ainda no sábado, em que esclarecia os objetivos da mostra, além de repudiar a pedofilia e o preconceito: “Algumas peças apresentadas na mostra revelam imagens que podem provocar um sentimento contrário daquilo que discutem. Porém, foram criadas justamente para nos fazer refletir sobre os desafios que devemos enfrentar em relação à questões de gênero, diversidade, violência entre outros. O Santander repudia a pedofilia e todo tipo de preconceito. Adotamos uma posição inclusiva e, ao mesmo tempo, incentivamos uma mudança no modo de pensar, em sintonia com uma sociedade diversa e democrática”, postou o museu, um dia antes de encerrar a exposição.

Nota do Santander Cultural:

"Nos últimos dias, recebemos diversas manifestações críticas sobre a exposição Queermuseu – Cartografias da diferença na Arte Brasileira. Pedimos sinceras desculpas a todos os que se sentiram ofendidos por alguma obra que fazia parte da mostra.

O objetivo do Santander Cultural é incentivar as artes e promover o debate sobre as grandes questões do mundo contemporâneo, e não gerar qualquer tipo de desrespeito e discórdia. Nosso papel, como um espaço cultural, é dar luz ao trabalho de curadores e artistas brasileiros para gerar reflexão. Sempre fazemos isso sem interferir no conteúdo para preservar a independência dos autores, e essa tem sido a maneira mais eficaz de levar ao público um trabalho inovador e de qualidade.

Desta vez, no entanto, ouvimos as manifestações e entendemos que algumas das obras da exposição Queermuseu desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas, o que não está em linha com a nossa visão de mundo. Quando a arte não é capaz de gerar inclusão e reflexão positiva, perde seu propósito maior, que é elevar a condição humana.

O Santander Cultural não chancela um tipo de arte, mas sim a arte na sua pluralidade, alicerçada no profundo respeito que temos por cada indivíduo. Por essa razão, decidimos encerrar a mostra neste domingo, 10/09. Garantimos, no entanto, que seguimos comprometidos com a promoção do debate sobre diversidade e outros grandes temas contemporâneos."